Home Dicas para aprender inglês INPUT É O PODER

INPUT É O PODER

3489
4
SHARE

Hoje, eu vou falar sobre porque o INPUT é o poder. Basicamente, o Input é um termo de quem estuda as línguas estrangeiras e temos dois conceitos: o input e o OUTPUT.

Conceito de INPUT x OUTPUT

 O Input é quando você absorve o idioma, ou seja, está entrando inglês no seu cérebro. O contrário disso, o contrário do INPUT é o OUTPUT, que é quando você produz a língua. Você fala inglês ou escreve no idioma. E ai existe métodos que se baseiam no OUTPUT e outras técnicas no INPUT, que é o que eu defendo com a leitura de muita coisa em inglês e o listening diário.

E acontece que existe uma espécie de guerra entre quem defende o que é mais eficiente. Essa briguinha entre as pessoas é meio sem noção. Porque não tem como você argumentar que INPUT é muito mais poderoso. Tem muito professor que defende a conversação e quem questiona esse meu método, normalmente, não coloca em pratica,

O mais interessante para entender como o INPUT é mais poderoso, você pode pegar qualquer método ou pessoa que aprendeu inglês e ver que o que aconteceu foi ter muito mais INPUT dentro deste método ou da trajetória desta pessoa.

Priorize a sua imersão no inglês

 Então, você foi para os Estados Unidos, ficou na casa de uma família americana e três meses depois estava muito melhor no idioma. Então, o seu método era baseado em OUTPUT, em produção de inglês? Não, era baseado em INPUT, porque você estava imerso no inglês, rodeado de pessoas que só falam inglês 24 horas por dia.

Quando você tem a oportunidade, você fica 5 vezes mais recebendo o inglês, ou seja, praticando INPUT. Todo método que funciona tem muito mais INPUT ali dentro do que OUTPUT. Pode observar isso.

Se você pensar em português é a mesma coisa. Pensa na quantidade de português que você já absorveu com relação ao que você fala. Você absorve muito mais, por isso a sua fala é perfeita, de nativo. O que uma criança faz? Ela já sai falando? Não, ela absorve muito e somente depois começa a falar aos poucos.

Moral da história: se você parar para pensar é muito mais INPUT em todos os métodos efetivos do que OUTPUT. Então, você tem que ter esse conceito na sua cabeça. Se você não fizer dez vezes mais INPUT do que OUTPUT, você não vai ter resultado. Os meus métodos e os meus estudos são todos focados em absorver e só depois começar a desenvolver a sua fala e sua escrita.

 

Receba o Resumão da Semana!

Quer receber um "Resumão da Semana" todos os sábados no seu e-mail com todos os nossos materiais e conteúdos da semana?

Jamais enviaremos e-mails não solicitados (spam)! Powered by ConvertKit
SHARE
  • Anna Guimaraes

    Oi Mairo, recentemente conheci seu método de ensino da língua inglesa. E foi uma surpresa descobrir que eu aprendi inglês sozinha usando um método que foi exatamente o que você defende.
    Quando eu comecei e me interessar, não existia internet ainda e os cursinhos eram extremamente caros. Ainda são, na verdade. Mas meu pai falava muito bem inglês e ele tinha aprendido sozinho, traduzindo textos e livros em inglês. E ele tinha um dicionário muito completo que ajudava pra caramba! Comecei a também a ouvir bandas como Bon Jovi, Guns e Roxette e eu queria saber o que eu tava cantando e também cantar junto. E foi assim que fui aprendendo a língua e a pronúncia ao mesmo tempo. Mais tarde com o acesso a internet, comecei a assistir vídeo aulas e a fazer cursos online. E sempre que posso compro livros em inglês e continuo traduzindo, assistindo seriados e entrevistas e lendo o que dá. Canto junto com as músicas e costumo repetir em voz alta para mim mesma frases que retiro de seriados, tentando fazer a pronúncia o mais aproximado possível da pronúncia do ator. Tem dado certo. Abraços!

  • Julian Sobral Velásquez

    Mesmo para aprender a falar e escrever bem a sua língua materna é necessário uma grande quantidade de leitura e “listening” de qualidade. Portanto, muito “input” para não sermos um “Jeca Tatu” no inglês.

  • Leonardo Pereira

    Gostei muito do vídeo e concordo com o que você diz nele. Quando morava no interior do Ceará comecei a aprender língua de sinais. Sem ter quem me ensinasse ou com quem conversar, assistia ” toneladas” de vezes fitas VHS produzidas por um grupo religioso. Desse modo e com a ajuda de um dicionário em CD-ROM de libras, comecei a entender a língua. Ao entrar em contato com surdos o output foi quase automático. E obrigado por omitir os palavrões. Já deixei de assistir alguns canais com bons conteúdos iguais aos seus por causa disso. Parabéns!

  • Walterlino Lopes

    Legal o vídeo, o grande LANCE é absorver a maior quantidade possível possível de conteúdos, para depois dar os primeiros comentários.